Universos

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Livro Publicado - A Festa do Divino Espírito Santo!



Enfim, o livro que foi resultado da minha dissertação do Mestrado foi publicado!
Ele também é fruto do blog sobre a Festa do Divino Espírito Santo em Natividade e está tão lindo!
A obra pode ser baixada gratuitamente ou se você gosta daquele tradicional cheirinho de livro, a Editora Fi também vende o físico no site deles!

Acessem, baixem ou comprem!
Quem curte leitura e festas tradicionais vai amar..
Eu fiz essa pesquisa encantada pela devoção dos nativitanos ao Divino.

O blog com meu Diário de Campo: http://festadodivinoespritosanto-natividade.blogspot.com.br/
Segue link do link: http://www.editorafi.org/133poliana

Confira também os artigos relacionados ao tema que publiquei nesses últimos anos!



  1. Festas do Divino Espírito Santo em Portugal e além-mar. Mosaico (Goiânia), v. 6, p. 107-119, 2013
  1. História, memória e religiosidade na festa do Divino Espírito Santo em Natividade - TO. Revista Internacional de Folkcomunicação, v. 11, p. 101-116, 2013.
  1. HISTÓRIA ORAL E FOLKCOMUNICAÇÃO: em busca de uma abordagem interdisciplinar na Festa do Divino Espírito Santo de Natividade -Tocantins. Revista Observatório, v. 2, p. 380-403, 2016
  1. Festas do Divino Espírito Santo: influência do modelo de impe´rio de Alenquer (Portugal) na festa de Natividade - Tocantins (Brasil). Desafios - Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins, v. 4, p. 14-20, 2017.



terça-feira, 8 de novembro de 2011

E lá vamos nós..


Acredito que a pior parte da minha Dissertação chegou: decupar entrevistas.


Não é fácil! Haja paciência e muita tranquilidade!

Deve acontecer com todo mundo e nessas horas dá uma vontade de contratar alguém para fazer esse serviço sujo, daí você lembra que não dá para confiar, vai que o cara não prestou atenção direito.

Pelo amor ao seu trabalho, desconfiança 'geral da nação' e claro, sua nota no dia da banca: você sofre! Resolvido!

O problema nisso tudo é o cansaço, diga-se de passagem, tédio em ter que trabalhar um mesmo assunto há dois anos... Tudo bem, que ao encarar o trabalho de frente eu fico super empolgada. E sim, sou empolgada com minha pesquisa. Larguei emprego, mudei de emprego, atravessei oceano por causa desse tema e fico nele até o fim...

Meio que "eu não vim até aqui pra desistir agora.."

Eu vou conseguir! Isso é certeza!

Ninguém disse que seria um mar de flores!

Próxima semana apresento um artigo de 30 páginas com uma colega no Seminário de Integração. Nosso tema é a relação dos espaços planejados e espaços vividos em duas quadras de Palmas. Uau! Que nada! Eu, jornalista, ela biologa. Nossos orientadores: biologo e antropologo. É a tal da interdisciplinariedade. E até que eu gosto... de verdade!

Bom, no mais é isso..

Eu tenho dois empregos (como isso lembra o "Todo mundo odeia o Cris), não tenho tempo, vida social reduzida às redes sociais (momentaneamente, até porque tenho que terminar a dissertação logo logo) e estamos aí.. Levando a vida sem deixar fluir porque as rédeas são minhas..

O ano de 2011 já acabou e tenho mais de 100 páginas para escrever, um casamento para ser madrinha, um Natal em família, Revéillon com as amigas, entregar a 'danada' em fevereiro e passar o Carnaval em Salvador. Março é a defesa! Ui!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Pesquisa de Campo - Primeiras impressões



Depois da pesquisa de campo, uma preocupação: como transcrever para o papel ritos e acontecimentos que só vivenciando é passível de compreensão? Muita emoção na saída das folias e pousos da Festa do Divino Espírito Santo de Natividade. Porém, não posso adiantar muita coisa. Fiquei muito emocionada com o início da festa. É muita fé.
Muita mesmo! Em alguns momentos eu quase chorei, mas me contive. 
Espero seguir no caminho certo. Ultimamente, muita correria na minha vida: trabalho, mestrado e possivelmente, mais um trabalho! #Yes!
Assim que tiver um tempo, postarei mais impressões.
Abril, Maio e Junho serão meses cruciais nessa jornada acadêmica! =D
Podem ter certeza que essa afirmativa do começo é que ronda meus pensamentos por hora: como escrever o que eu só posso sentir?


É só..
MUITO FELIZ com minhas escolhas profissionais e acadêmicas! =)



domingo, 10 de abril de 2011

Agenda - Pesquisa de Campo


Nesse mês começo minhas pesquisas de campo.
Eis o calendário.
Sorte e força no Divino!

17 de Abril - Encontro com o pessoal que organiza a festa
23 e 24 de Abril - Saída das Folias
01 de Maio - Visita a Folia/Pouso
08 de Maio - Visita a Folia/Pouso
22 de Maio - Visita a Folia/Pouso
02 de Junho - Chegada das Folias
05 de Junho - Preparação da festa
11 de Junho - Esmola Geral e Festa do Capitão do Mastro
12 de Junho - Coroação e Festa do Imperador

Bom, ressaltando que poderão surgir mudanças com relação a visita as folias e pousos.

=D

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

E como estão as coisas por aqui...


E como está meu processo de pesquisa bibliográfica em Portugal?
As aulas estão ótimas, porém a quantidade de trabalho e obras que temos que ler é imensa. No final deste post disponibilizei as bibliografias que trabalharei em cada uma das disciplinas.
Estamos no meio do semestre e entre os dias 18/12 e 03/01 será nosso recesso de final de ano, que tudo indica que passarei estudando, pois o tempo aqui já está acabando. (50 dias!!)
Nesse fim de semana vou em Coimbra visitar o convento da Rainha Santa Isabel. Em Alenquer, irei no mês de Janeiro para fotografar a igreja e demais obras referentes as comemorações do Divino Espirito Santo.
Estou com quatro disciplinas: Metodologias da Investigação, Temas de História Moderna, Sociedade e Patrimônio e Memória, História e Identidade.
O que venho desenvolvendo em cada uma dessas unidades curriculares:

Metodologias da Investigação: Resolvi fazer essa disciplina de novo, pois o foco aqui na Universidade do Minho é bem mais teórico do que no nosso CIAMB e o prof. Dr. Francisco Mendes pediu para que fizessemos um artigo de até 10 páginas que abordasse o campo em que iríamos trabalhar, nesse caso, a História Oral. Tenho conseguido algumas obras, na sua grande maioria espanholas, e devo entregar esse artigo no final de janeiro. Ele disse que seria como o primeiro capitulo da nossa 'tese' (aqui eles chamam dissertação de tese).

Temas de História Moderna: Dentre outros textos debatidos em sala, houve um tema especifico sobre as festas na época moderna, com todo o processo de ritualização, festas pagãs, religiosas, enfim. Abordamos essa questão de como eram as festas nos séculos 17 e 18 em Portugal e no Brasil. O trabalho final também é um artigo de até 20 páginas, no qual, eu escolhi como tema "as festas". Tenho que fazer uma abordagem geral sobre como eram realizadas nessa época, fazendo um gancho com a realização das festas no Brasil. A responsável por essa disciplina é a prof. Dr. Maria Marta Lobo que já realizou pesquisas sobre algumas festas religiosas em Braga e mostrou-se muito interessada no meu tema. 

Sociedade e Patrimônio: Disciplina dividida em 2 módulos. Já tivemos o primeiro e o segundo só em Janeiro. Discutimos muito superficialmente sobre os conceitos de patrimônio e turismo cultural. Foi interessante para conhecer a área. Como trabalho final temos que entregar um texto entre 6 a 10 páginas contextualizando o conceito de patrimonio, escolhendo alguma manifestação, no meu caso, a festa do Divino de Natividade, para debater como um patrimônio pode ser transformado em produto turístico. A professora responsavel pelo primeiro módulo foi a Dr. Margarida Durães.

Memória, História e Identidade: Essa é uma das disciplinas mais práticas e aborda como captar as histórias de vida por meio de roteiros de entrevistas. Utilizamos a metodologia da Rede Internacional do Museu da Pessoa e os professores (Dr. Jorge Rocha e Dr. Filipa Rodrigues) têm sido bem práticos mesmo. Tudo indica que no final das aulas eles repassarão a bibliografia acerca dos temas de memória e identidade para nós. Estamos aguardando. Ainda não definiram o que será a avaliação, mas já fizemos muitos trabalhos em grupo e individuais.

sso que se passa desse lado do Atlântico.
Algumas obras que tenho estudado:

Metodologias da investigação:
·         BERTAUX, DanielLa historia oral: métodos y experiencias. Madrid : Debate, 1993
·         BURKE, PeterFormas de hacer historia. Madrid : Alianza Editorial, imp. 1994.  (Alianza universidad). 
·         LE GOFF, Jacques, NORA, Pierre. Fazer história. vol.3: Novos objectos .Amadora : Bertrand, 1987. - 302 p. 
·         LE GOFF, Jacques. História e memória. Lisboa : Edições 70, D.L. 2000.  (Lugar da história). Vol.1 : História.;  Vol.2 : Memória
·         MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 5ª ed.São Paulo: Edições Loyola, 2005 
·        SANDIOCA, Elena Hernandez. Tendencias historiográficas actuales – Escribir historia hoy. Madrid: Ediciones Akal, 2004. 
·         THOMPSON, Paul. La voz del pasado: la historia oral. Valencia : Edicions Alfons el Magnánim, 1988.  (Estudios universitários)
·         VILANOVA, Mercedes. Historia antropologia y fuentes orales. Barcelona: Universitat de Barcelona Publicaciones, 1989
·        VILANOVA, Mercedes. Historia y fuente oral. Barcelona : Universitat de Barcelona Publicaciones, 1989 

Temas de História Moderna - Festas

·         MILHEIRO, Maria Manuela. Subsídios para a festa barroca. In: Cadernos do Noroeste, nº 4, 1991.
·         MILHEIRO, Maria Manuela. Braga. A cidade e a festa o século VXIII. Braga: NEPS, 2003.
·         LIMA, José. Festa. In: AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.). Dicionário de História Religiosa de Portugal. Lisboa: Circulo de Leitores, 2000.
·         MUIR, Edward. Fiesta y Rito em la Europa Moderna. Madrid: Ed. Complutense, 2001.
·         BEBIANO, Rui. Festa. In: Dicionário da Arte Barroca em Portugal. Lisboa: Ed. Presença, 1989.
JANCSO, Istvóu; KANTOR, Luis (orgs). Festa, cultura e sociabilidade na América Portuguesa. Vols. I e II, São Paulo: Imprensa Oficial, 2001.
·         MELO, José Marques de. As festas populares como processos comunicacionais: roteiro para o seu inventário no limiar do século XXI. Libero: Ano III, V. 3, n° 6, 2000, p. 56-63.
·         GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
·         COSTA, Antonieta. As festas Sanjoaninas e suas origens mais remotas : estudo comparativo documental. Guimarães : NEPS - Universidade do Minho, D.L. 2002.  (Cadernos NEPS). 
·         HOBSBAWN, Eric, RANGER, Terence (orgs). A invenção das tradições. 6ª Ed. Paz e Terra: São Paulo, 2008.
·         BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Prece e Folia, Festa e Romaria. Aparecida, SP: Idéias&Letras, 2010.
·         MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no Pedaço: cultura popular e lazer na cidade. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec/UNESP, 2003.
 ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Lisboa, Livros do Brasil, 1956 
·         SANTOS, Claudefranklin Monteiro. A Festa como objeto de pesquisa histórica no campo da religiosidade. In: XII Encontro Sergipano de História. Aracaju, 2008. Disponível em <www.gpcir.sites.uol.com.br/ce/claudefranklin.pdf>. Acesso em 13 de maio de 2010.
Sociedade e Patrimônio

UNESCO (1972), Convention Concerning the Protection of the World Cultural and Natural Heritage. Paris, United Nations Educational, Scientific and Cultural Organisation.

UNESCO (2003), Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural HeritageParis, United Nations Educational, Scientific and Cultural Organisation.

AGUSTI, B. (2003), Turismo Cultural: Una reflexión desde la ciencia económica. Análises, Portal ibericoamericano de Gestion Cultural (http://www.gestioncultural.com).

BALLART, J. (1997), El Patrimonio Historico y Arqueológico: Valor y Uso. Barcelona, Ed. Ariel.

BALLART, J. e JUAN- TRESSERRAS, J. (2005), Gestión del Patrimonio CulturalBarcelona, Ed. Ariel, 2ª ed..

BELARD, Francisco (2005), Redefinir o Património Cultural. Expresso de 23 de Abril de 2005.

CHOAY, Francoise (1999), A Alegoria do Património. Lisboa, Ed. 70.

CONNERTON, Paul (1989), Como as sociedades recordam, Lisboa, Celta.
 MENESES, José Newton Coelho (2004), História e Turismo Cultural. Ed. Autêntica, Belo Horizonte, Brasil.
 VAQUERO, C. M. (2002), La ciudad histórica como destino turístico. Barcelona, Ariel.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

"Meu projeto"

No dia 10 de setembro defendi meu projeto de dissertação. Que sufoco!
Nunca fiquei tão gelada e com tanto medo como nesse dia!
Enfim, deu tudo certo.
Tenho que adequar algumas coisas e seguir em frente.
Dia 27 de setembro embarco para Portugal e lá, meus queridos, será pauleira!
Que venha serviço, então! \o/
Eis um pouco da minha apresentação logo abaixo:

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Interdisciplinariedade


Nessas duas semanas, 9 a 20 de agosto, tivemos uma disciplina em módulo intitulada de "Métodos Interdisciplinares" e que foi bem interessante. Uma briga danada! Ciências naturais X Ciências Sociais...
Ahh nem, até certo ponto foi interessante e estimulante a discussão, mas chegamos em um momento que tudo não passou de vã filosofia.
Odeio discursos que se dizem super contextualizados e que na verdade, não passam de utopia.
Por mais que eu seja da área das Ciências Sociais não consigo divagar muito. Para mim é perda de tempo.
Sou prática e objetiva! É 8 ou 80!
Enfim. Os conceitos apresentados pelos professores Dr. Ronaldo Campos e Dr. Martina Schäfer foram importantes para 'abrir a mente'. Quer dizer, mais ou menos.
Mas deu para ter uma idéia do que é essa multi-multi-inter-transdisciplinariedade!
Alguns conceitos:

“A Interdisciplinaridade é o lugar onde se pensa hoje a condição fragmentada
das ciências e onde, simultanamente, se exprime a nossa nostalgia de um
saber unificado. Interdisciplinaridade é integração dos saberes.

A idéia é compartilhar com vocês sobre todos os níveis de interdisciplinares, porém existem umas diferenças que ficaram bem mais claras depois da primeira semana de aula. São eles:

Multidisciplinaridade:
Se caracteriza por um ação simultânea de uma gama de disciplinas em torno
de uma temática comum. Essa atuação, no entanto, ainda é muito fragmentada,
na medida em que não se explora a relação entro os conhecimentos
disciplinares e não há nehnhum tipo de cooperação entre as disciplinas
(Japiassú 1976).

Pluridisciplinaridade:
Diferentemente do nível anterior, se observa a presença de algum tipo de
interação entro os conhecimentos interdisciplinares, embora eles ainda se
situem num mesmo nível hierárquico, não havendo ainda nunhum tipo de
coordenação preveniente de um nível hierarquicamente superior (Japiassú
1976).

Interdisciplinaridade:
A Interdisciplinaridade representa o terceiro nível de interação entre as
disciplinas. É caracterizada pela presença de uma axiomática comum a um
grupo de disciplinas conexas e definida no nível hierárquico imediatamente
superior de onde procede a coordenação das ações disciplinares.Há
cooperação e diálogo entre as disciplinas do conhecimento, mas nesse caso
se trata de uma ação coordenada (Carlos 2009: 2).

Transdisciplinaridade:
A transdisciplinaridade representa um nivel de integração disciplinar além da
interdisciplinaridade. É um tipo de interação onde ocorre um espécie de
integração de vários sistemas interdisciplnares num context mais amplo e
geral, gerando um interpretação mais holística dos fatos e fenômenos.

Para visualmente, entender melhor:


Alguns livros sobre os métodos interdisciplinares. Só tem um porém, todos em língua germânica. :P

É isso.
Related Posts with Thumbnails
Ocorreu um erro neste gadget